quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Fernando Pessoa até enjoar...


Tudo é ilusão. NIHIL. Nada.  Mas e se nada é por acaso, perdoem o lugar-comum, como eu não percebi isso antes? Religiões, afinal o que elas têm (ópio do povo, né Marx?) com a minha vida. Não cria em nada. E agora há misticismo em tudo o que vejo...


ULISSES - Fernando Pessoa
O mytho é o nada que é tudo.
O mesmo sol que abre os céus
É um mytho brilhante e mudo -
O corpo morto de Deus,
Vivo e desnudo.

Este, que aqui aportou,
Foi por não ser existindo.
Sem existir nos bastou.
Por não ter vindo foi vindo
E nos criou.

Assim a lenda se escorre
A entrar na realidade,
E a fecundá-la decorre.
Em baixo, a vida, metade
De nada, morre*.

Postar um comentário